Diretor de Operações e Negócios da Globalthings em parceria com BID faz diagnóstico da rede de abastecimento de oxigênio em Manaus

No início do mês, uma equipe técnica do Banco Iteramericano de Desenvolvimento (BID), liderada pelos engenheiros clínicos Ricardo Leal Reais, Diretor de Operações e Negócio da Globalthings Tecnologia e Lúcio Flavio de Magalhães, estiveram em Manaus para fazer um diagnóstico do sistema de abastecimento de oxigênio nos hospitais da capital amazonense. O projeto de abastecimento, que começa a ser equalizado, entrou em colapso em janeiro, com o aumento do número de casos de Covid-19 na cidade.

Durante o período, a equipe técnica do BID visitou a maior parte dos hospitais e unidades de saúde que atendem pacientes de Covid-19, avaliando a rede de oxigênio e os aparelhos de suporte ventilatório, como ventiladores pulmonares e fluxômetros. Identificou falhas no manuseio de equipamentos e procedimentos, que estão causando desperdício do oxigênio, mas que se eliminadas garantirão ganho substancial na oferta e qualidade do produto.

Diretor de Operações da Globalthings em parceria com BID faz diagnóstico da rede de abastecimento de oxigênio em Manaus

“Nosso objetivo aqui é fazer um diagnóstico situacional de como está o consumo de oxigênio dos hospitais, para compatibilizar o fornecimento do oxigênio com o consumo clínico. Para isso, nós precisamos fazer alguns estudos de engenharia para identificar essas melhorias”, explicou Ricardo Reis.

Após análises, foi apresentado o diagnóstico ao Ministério da Saúde, governo estadual e demais membros do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC). Também indicaram dez sugestões para um plano de ação imediato. “Encontramos muitos problemas, mas todos são passíveis de solução se forem adotadas as medidas sugeridas”, afirmou o engenheiro clínico Lúcio Flávio Guimarães.

“Nossa expectativa é de que a vinda dos técnicos do BID possa nos ajudar a adotarmos melhorias nos procedimentos, que hoje já são executados, para consumirmos de forma mais racional o oxigênio na rede e, assim, evitarmos desperdício”, complementou a coordenadora do Programa Saúde Amazonas, Raquel Tapajós.

Fotos: Herick Pereira/Secom

Fontes: Secretaria de Estado e Saúde do Amazonas | Valor Amazônico

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *