Da aquisição a depreciação dos equipamentos hospitalares

Novos equipamentos surgem a todo momento e para garantir que o seu uso corra conforme o planejado é importante entender os avanços para fornecer os melhores e mais tecnológicos produtos da área. É importante monitorar equipamentos e ativos hospitalares e analisar indicadores desde a aquisição até depreciação e obsolescência

A boa prática inclui um conjunto de procedimentos projetados para garantir a qualidade, eficácia e segurança do produto. Em relação aos equipamentos hospitalares, as boas práticas vão desde estratégias de aquisição de tecnologia até a utilização de processos de monitoramento.

A primeira sugestão na compra de equipamentos hospitalares é que ele tenha as indicações clínicas necessárias para os serviços médicos relacionados. O equipamento também deve estar em condições adequadas de uso e cumprir os regulamentos de saúde vigentes em relação ao desempenho, instalação e manutenção.

Obviamente, para obter produtividade e resultados, todos os equipamentos devem passar por um processo sistemático e desenvolver inspeções regulares e planos de manutenção preventiva para manter o funcionamento normal. De fato, de acordo com a RDC nº 509/2021, a Anvisa determinou que o hospital tenha um plano de gestão detalhando a padronização do processo.

Da aquisição a depreciação

De acordo com o formulário do US Internal Revenue Service, a vida útil dos equipamentos médicos é de dez anos. A vida útil de qualquer ativo em uma organização começa a partir do momento em que ele gera receita para aquele local, dando aos gerentes a oportunidade de rastrear a trajetória de uso. Portanto, a tabela mostra uma taxa de depreciação anual de 10%, ou seja, do ponto de vista do valor de compra, após 1 ano, o seu valor será desvalorizado em 10%, o que é feito uma vez por ano.

Um indicador importante é o “valor residual”, que determina seu menor valor ao final de sua vida útil e todos os seus períodos anuais de depreciação. Para usar os ativos corretamente pelo maior tempo possível, é importante realizar cálculos de depreciação precisos para garantir o controle eficaz dos ativos da empresa.

Com as devidas informações o gestor saberá o momento certo para alterar ou atualizar as informações, principalmente devido à tecnologia desatualizada, mudanças nos processos de produção e até mesmo mudanças nos hábitos de consumo.

Também ajuda a manter o mesmo capital total ao longo dos anos, sem a necessidade de os produtores injetar mais capital em seus negócios. Portanto, a empresa deve acompanhar o desenvolvimento tecnológico e as demandas do mercado e adotar políticas de gestão visando sua longevidade.

Se todo o processo for devidamente planejado entre a aquisição e a depreciação de equipamentos, os custos não planejados serão evitados e a tecnologia pode ser aproveitada ao máximo.

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *